COMO SOLICITAR ALIMENTAÇÃO ESPECIAL PARA VIAGEM DE AVIÃO?

Avião

Como é fazer uma refeição sem glúten, no avião, em uma viagem longa? Simples.

A resposta é realmente fácil, para conseguir se alimentar dentro do avião sem preocupações é preciso planejamento.

Como tudo na vida, não dá para esperar que as coisas aconteçam ficando inerte, ou melhor, dentro do contexto, que aquela marmitinha GF caia no seu colo enquanto vai para Europa se você sequer pediu por ela.

GFML

Minha experiência na minha última viagem, com a Alitalia, foi sensacional. Na ida, a refeição veio bem completa, tanto no jantar quanto no café da manhã.

Listei 7 dicas para que você consiga fazer sua refeição especial durante suas viagens de avião.

1. Escolha uma companhia aérea que ofereça o tipo de alimentação que você deseja

Hoje, é difícil alguma empresa que ainda não esteja conscientizada sobre alergias e intolerâncias alimentares. Portanto, essa etapa não será das mais difíceis, provavelmente no site haverá alguma seção que tratará destas questões.

2. Certifique-se que a refeição oferecida é livre de contaminação cruzada

A gama de opções ofertadas é grande, tem companhias que servem alimentação especial para todos os gostos, desde aquelas baseadas em princípios religiosos, até as veganas. E, como o serviço é terceirizado, é legal fazer contato anterior para garantir que não ocorra qualquer contaminação. Se, por acaso, não houver essa garantia, escolha outra empresa ou pule para opções 6 e 7.

3. Faça a reserva

Independentemente de qual será a forma de compra da passagem, você deve ligar para a companhia aérea para fazer o requerimento da alimentação especial. Digo isso, porque, mesmo que exista a alternativa de fazer a solicitação pela internet, por exemplo, é interessante fazer a confirmação pelo telefone e anotar o número do protocolo, é claro.

4. Confirme

Pode parecer chato ter que pensar em ouvir, novamente, aquelas musiquinhas enquanto espera para ser atendido por alguém da empresa. Mas, uns dias antes, pegue seu tempinho livre e confirme, de novo, se está tudo ok com a sua solicitação.

5. Se o voo for alterado, confirme (mais uma vez)

Caso qualquer circunstância seja alterada em seu voo, ligue outra vez para a companhia com o intuito de confirmar o requerimento. Por experiência própria, você deve solicitar a alimentação toda vez que acontecer alguma mudança em suas passagens.

No início do ano, na volta da viagem, minha conexão seria no Rio de Janeiro e, por um motivo desconhecido, foi trocada para São Paulo. Com essa realocação, perdi minha solicitação de alimentação especial, aí pelo curto espaço de tempo, não consegui fazer novo pedido. Porém, tive a sorte de conhecer funcionários excelentes da Alitalia, que fizeram de tudo para que eu me sentisse confortável e pudesse comer algo que fosse livre de contaminação cruzada durante o voo. No fim das contas, acabei ficando com a salada e as castanhas que seriam ofertada aos passageiros da 1ª classe e, apesar de não ser uma refeição completa, compensou em vista da preocupação e do profissionalismo dos comissários.

6. Leve algo na bagagem de mão

Nem todo tipo de alimento é permitido dentro do avião, mas você pode levar uns snacks para, no caso de imprevisto, dar uma beliscadinha. Castanhas, barrinhas de cereal, chocolates, biscoitos salgados, frutas secas em pacotes lacrados, são apenas algumas das opções que você pode carregar na bolsa nesses momentos. Lembrando que, em voos curtos, geralmente não existe a possibilidade de requerer a refeição específica.

7. Não coma

Essa dica, que aprendi com uma amiga, parece um pouco pesada, mas pode ser uma opção. Qualquer que seja a alimentação oferecida, ela provavelmente não é das mais saudáveis e pode não te fazer bem em outros aspectos que não sejam, somente, os relacionados à doença celíaca e as crises no seu intestino.

Por isso, fazer uma boa refeição antes de embarcar e utilizar o tempo da viagem para outros tipos de lazer, como dormir e assistir séries e filmes, também é muito válido. Afinal, quando chegar ao destino, você pode encontrar vários restaurantes que façam valer a pena o tempo de jejum.

Anúncios

RESTAURANTES ‘NORMAIS’ COM OPÇÕES SEM GLÚTEN EM LONDRES

RestaurantesGlutenFree em Londres

Quem vai viajar, normalmente, já sai procurando restaurantes que oferecem alternativas sem glúten no menu. A maioria dos lugares que aparecem nessas pesquisas, são específicos, que possuem apenas alimentos glutenfree, veganos, etc. Mas, para quem não vai realizar um turismo gastronômico, ou for fazer passeios em grupo, nem sempre é tão viável se deslocar para esses determinados locais. Por isso, acho muito bom ressaltar, que existem, sim, outros ambientes que, apesar de serem considerados comuns, também servem alimentos livres de glúten, de forma segura.

Listei aqui meus quatro locais favoritos de Londres e como bônus, um em Brighton, cidadezinha perto da capital, que fez meu coração bater mais forte.

HONEST BURGERS

Para mim, o melhor lanche glutenfree de toda a vida até agora. Parece exagero, mas não é! Cheguei a ir mais de uma vez para confirmar o que achei na primeira: sim, é maravilhoso.

Pensa num pão de hambúrguer fofinho, um molho saboroso, uma carne macia, ahhh, só de lembrar, dá água na boca.

A opção sem glúten dos sanduíches conta com £1 a mais pelo pão, mas vale a pena. Sem contar que, para os cervejeiros de plantão, também tá tendo hahahaha.

Por existirem pães com glúten, fiquei bem receosa, mas conversei com os atendentes e eles me garantiram que não havia contaminação cruzada, e que tudo (a não ser o pão “normal”) era seguro para celíacos. A prova real foi tirada, continuei me sentindo bem depois que passei por lá.

São diversas lojas espalhadas pelo Reino Unido e, só Londres, conta com aproximadamente 20 estabelecimentos decorados lindamente, em ótimas localizações. Para mais informações, clique aqui.

Não dá para deixar de experimentar a batata frita. Ela vem com a casca “mal tirada”, sal e muito alecrim, é boa real.

Untitled design (1)

CARLUCCIO’S

Bem diferente de sanduíche e batata frita, aqui os pratos tem um jeitinho italiano. O atendimento é muito bom e o ambiente é super agradável. Sem contar que, o que visitei, fica bem localizado em Canary Warf, perto de outros pubs e restaurantes.

O restaurante conta com um cardápio especial GlutenFree. O gerente me garantiu que cuidaria, pessoalmente, de todos os detalhes na preparação do meu prato. Pedi o risoto ao funghi e de sobremesa um sundae de creme com caramelo salgado. Também experimentamos a panna cotta típica italiana, deliciosa.

2017-03-12-PHOTO-00015719

NOJÔ – GUILTY FREE CRÉPES

O nome é um pouco estranho para nós brasileiros, mas de nojento não tem nada. O lugar é uma fofura e fica no meio de Camden Market.

O mais legal é que encontrei esse cantinho em um dia que não havia tomado café da manhã, então juntei a fome com a vontade de comer, literalmente. Fui extremamente bem atendida e no meio de tantas opções doces e salgadas com aparências incríveis, acabei escolhendo pelo combo: banana + pasta de amendoim + amêndoa. Juro, é de babar! Mas eu, com certeza, voltaria lá para experimentar os salgados e outros doces também.

Uma boa observação, é que eles fazem diary free também, ou seja, sem laticínios, caso seja da preferência do consumidor.

Untitled design

PASTA BROWN

Covent Garden já é um distrito encantador por si só, mas passear por lá e encontrar uma baita placa escrito – gluten free pasta – na porta de um restaurante, deixa tudo mais lindo.

São várias combinações de massa sem glúten, que dá vontade de pedir todas de uma vez só. Não tenho muito o que dizer, só sentir hahahhaha.

Apesar de a senha da wifi ser “meatballs”, o macarrão com almôndegas é um dos poucos que não é apto para celíacos.

IMG_4430

Pausa para o LACTAID compondo a mesa hahahahaha

THE JETTY – BRIGHTON

Não é em Londres, então, estou colocando como “bônus”, porque considero muito. Aliás, considero tanto que voltaria pra Brighton (além do fato de ter achado aquela cidade um fofura) só para comer de novo nesse restaurante. Ele fica no Brighton Harbour Hotel, mas é aberto ao público, não apenas para os hóspedes. E gente, o quão maravilhoso é você tomar um vinho, olhando pra fora e vendo a praia, no inverno?! É lindo demais. Fora a vista, o cardápio oferece diversas opções sem glúten, mas elas não estão, necessariamente, especificadas. Por isso é importante conversar com o garçom, que ele explica certinho.

De entrada pedi o Wild Mushroom Risotto (risoto de cogumelos com ovo poché), o prato principal foi Salmão e Purê de Ervilhas e a sobremesa, ai, a sobremesa… Foi Sorvete de pasta de amendoim, com pipoca coberta de caramelo salgado e marshmallow tostado, a melhor combinação doce que já pude atestar!

THE JETTY

Conhece algum deles, ou sentiu vontade de conhecer? Me conte nos comentários.

 

EXPERIÊNCIA GLUTENFREE EM LONDRES

VIAJAR REZAR COMER

Antes de ter o diagnóstico concreto da doença celíaca, sempre que viajava, eu procurava comer muito bem e em lugares diferentes, pra fugir um pouco daquele conforto de Mc Donald’s e Subway. Nessas últimas férias, realizei minha primeira viagem internacional já com o diagnóstico. Meus destinos foram Inglaterra e França, mais especificamente, Londres, Brighton e Paris, mas passei a maior parte do tempo em Londres mesmo.

Antes de ir, procurei saber mais sobre os lugares que eu poderia comer, inclusive através de blogs e sites como o oficial da doença celíaca no Reino Unido.

O problema é que, muitas vezes, em meio a um passeio, dava aquela fominha. Não sentia vontade de me deslocar até outra estação apenas para almoçar ou jantar, até porque, eu tomava um café da manhã bem reforçado e conseguia aguentar até o horário da janta, diga-se de passagem, sempre muito bem garantida por uma amiga que mora por lá.

Até que um dia resolvi perguntar, meio como “quem não quer nada”, se no restaurante em que estava havia alguma opção sem glúten, que fosse livre de contaminação cruzada. Qual foi minha surpresa quando a resposta foi: SIM.

Depois disso, passei a perguntar em todos os restaurantes, bistrôs e lanchonetes que entrava e, cada vez mais, eu acabava sendo surpreendida diante das respostas. Eu poderia comer, praticamente, em qualquer lugar daquela cidade. Pois, pelo menos na minha experiência, eles somente consideram GlutenFree a ponto de anunciar que o é, se não houver possibilidade de contaminação cruzada.

No fim das contas, acabei deixando de me preocupar em conhecer aqueles cantinhos bem específicos, por perceber que poderia ser feliz em qualquer lugar hahahahahahaha

O que me decepcionou um pouco foram os mercados, achei as opções bem comuns, nada de muito diferente do que encontramos por aqui. A não ser o Whole Foods que é o paraíso na terra, não é mesmo?!

Mas, no próximo post vou contar sobre cada cantinho que gostei de comer por lá, fiquem ligados.